Montagem Igor Veloso Polititank

El Salvador, criptomoedas e vulcões

El Salvador é um pais da América central cuja população é de cerca de 6,5 milhões de habitantes. Apesar da sua pequena dimensão, este país recebeu a atenção de todo mundo ao ser o primeiro estado a adotar uma criptomoeda, a tão famosa Bitcoin, como uma das suas moedas legais.

Desde 7 de Setembro de 2021 que esta moeda virtual se tornou uma forma válida de transação aceite em todo o país, passando a circular paralelamente ao dólar norte americano.

Mas o que é a Bitcoin?

Em poucas palavras, a Bitcoin é uma forma descentralizada de pagamento totalmente digital criada em 2008 por “Satoshi Nakamoto”, o pseudónimo de uma pessoa ou grupo, cuja identidade ainda hoje permanece um mistério. Todas as transações de Bitcoin são realizadas por computadores através de um processo que usa criptografia - o “Bitcoin mining” ou simplesmente “mining”- para as manter seguras. Este processo não só requer um enorme poder computacional e equipamento sofisticado, mas também um imenso consumo energético, o que faz com que a Bitcoin e outras criptomoedas não sejam bem vistas entre os ambientalistas. O mining permite a entrada de novas Bitcoins em circulação (havendo o limite máximo de 21 milhões de Bitcoins) como forma de recompensar quem dispõe do seu poder computacional para minerar Bitcoin.

Sendo a Bitcoin um tópico bastante complexo, recomenda-se pesquisa própria para um conhecimento mais aprofundado.

O porquê desta adoção...

As remessas que os cidadãos que trabalham fora do país enviam para El Salvador constituem cerca de um quinto do PIB. O Presidente Nayib Bukele espera que os baixos custos de transação por Bitcoin origine um aumento significativo de entrada de capital, resolvendo assim um problema que afeta largamente a economia do país.

Para promover o uso de Bitcoins, o governo lançou uma carteira digital “Chivo” com um bónus de 30 dólares. Os cidadãos podem levantar os seus fundos em 200 ATM’s espalhados pelo país. De acordo com o Presidente, mais de 2,1 milhões de salvadorenhos estão a usar ativamente a carteira criada pelo governo e que em menos de 3 semanas ultrapassou o número de clientes de todos os bancos de El Salvador juntos.

Vulcões e energia

El Salvador tem no seu território cerca de 20 vulcões ativos e a energia geotérmica perfaz um quarto da produção de energia doméstica. O governo tem um projeto ainda em curso de criar infraestrutura capaz de minerar Bitcoin com energia 100% renovável. Na sua conta oficial no Twitter, o Presidente publicou um vídeo onde mostra a montagem de equipamento minerador numa central geotérmica próxima de um vulcão.

Contudo, esta mudança tem gerado preocupação: sendo a Bitcoin um criptoativo, está sujeita a grandes valorizações e desvalorizações limitando a sua funcionalidade como moeda nacional. A maior privacidade das transações também foi alvo de protesto uma vez que torna mais difícil a implementação de políticas contra a lavagem de dinheiro.

Será El Salvador o pioneiro de uma autêntica revolução digital? Certamente que o mundo terá imenso a aprender com esta transformação e que o futuro nos reserva grandes oportunidades de inovação.

 

 

 

Este artigo é de opinião e por isto suas ideias reflectem a visão do autor e não de todos os membros do Polititank.